Rosto de Jigoro Kano
História do Judô, judô, Judoca, Pi a judoca, Pi judô, Pi Judoca, Sem categoria, Sobre o judô

Judô, Sua criação e Filosofia

Judô, Sua criação e Filosofia

 

O Professor e fundador do judô e do Kodokan, Jigoro Kano nasceu em 28/10/1860 em Mikage, perto de Kobe. Terceiro filho de uma família de 3 meninos e 2 meninas. Com 17 anos iniciou o treinamento de jiu-jitsu (com o instrutor Ryuji Katagiri). Em 1882 fundou o próprio dojô no templo Eisho-Ji o ano de 1884 viu nascer o judô, resultante da conjunção de vários sistemas de jiu-jitsu e da introdução de seu fundamento filosófico.

Rosto de Jigoro Kano
Rosto de Jigoro Kano

Em 1891 ele casou com a filha mais velha do embaixador coreano Seisei Takezoe; o nome dela era Sumako. Eles tiveram 9 filhos (6 meninas e 3 meninos). Em 1911, tornou-se presidente da Associação Atlética do Japão e primeiro representante do Japão no Comitê Olímpico Internacional.

O professor Jigoro Kano tinha sido inicialmente estudante de Ciências Políticas, também estudava História da Literatura, Filosofia, Ética e Educação Física, chegou a ser docente numa universidade japonesa; em 1893 ele foi convocado para o Ministério da Educação japonês, em 1909 para presidente do Comitê Olímpico Internacional no Japão e em 1911 presidiu a Associação Atlética Japonesa.

Já como jovem estudante, Jigoro Kano tinha adquirido alguns conhecimentos do jiu-jitsu, que naqueles tempos não eram muito divulgados, mas reservados mais aos velhos, célebres mestres da arte. Foi Fukudo Hachinosuke, Mestre de Lutas do Instituto Imperial para as Artes Marciais, quem iniciou Jigoro Kano no sistema Ten-Shin-Shinyo, onde prevaleciam pancadas e golpes com as mãos e pés, como a aplicação de alavancas e torção dos membros do oponente.

No mundo em que vivemos, alguns homens pelo seu espírito empreendedor, pela sua abnegação, pela fidelidade aos seus ideais, pela perseverança, liderança e inteligência, marcaram de forma indelével o seu caminhar e pela estrada percorrida ficaram os frutos de suas obras a beneficiar a humanidade: a arte, as invenções, conquistas, trabalhos e tantos outros motivos pelos quais ficaram conhecidos e são lembrados.

Jigoro Kano, a quem devemos a criação do judô, está com toda certeza entre esses beneméritos. Jigoro Kano era de baixa estatura, medindo 1,50m e seu peso, proporcional à altura, não ia além de 50kg. Entretanto compensava seu pequeno porte físico com uma tenacidade ímpar, coragem invulgar e, sobretudo, vontade férrea e inteligência brilhante.

Sem condições físicas para a prática da maioria dos esportes, não buscou desculpas ou lamentações para justificar um acomodamento a que um espírito fraco iria se entregar, pelo contrário, tocado em seus brios, buscou no Jiu-Jitsu a compensação e para isso dedicou-se incansavelmente com a tenacidade e inteligência que lhe eram peculiares.

O Judô combina técnicas de Jiu Jitsu, karatê e vários antigos estilos de lutas.Usando as mãos, os pés e o corpo para derrotar um adversário através de quedas, chaves de articulações e estrangulamentos.

A idéia de Jigoro Kano (1860 – 1938) ao criar o Judô em 1882, quando abriu as portas de sua escola chamada KODOKAN (lugar onde se aprende o caminho), foi a de desenvolver um sistema de Educação Física e mental combinado com um método de autodefesa e paralelamente um desporto regulamentado para a competição.

Jigoro Kano tinha aprendido anteriormente o Ju-Jitsu (Jiu-Jitsu) em duas importantes escolas daquele período chamadas Tenshin-Shinyo-Ryu do mestre Fukuda (1877) e Kito-Ryu do mestre Ikugo (1881), dos quais herdou importantes manuscritos que continham os segredos das técnicas desenvolvidas durante séculos por estas instituições. O professor Jigoro Kano vislumbrou nestas formas antigas de Jiu Jitsu um importante aspecto formativo / informativo para as futuras gerações.

O Jiu Jitsu nesta época havia começado a decair por ensinar técnicas mortais por pessoas sem nenhuma formação e também já estava sendo vista como algo vulgar uma vez que os “professores” exigiam pagamento em suas apresentações como forma de divertir o público.

A mudança do nome de Jiu Jitsu para Judô deveu-se além dos fatos citados, principalmente pela perspectiva dos objetos da nova modalidade que haviam sofrido uma grande transformação.Do Jitsu equivalente à técnica Kano optou por “Dô” que significa via / caminho / princípio, segundo suas próprias palavras deve-se entender como “um caminho em termos espirituais o principio que deve ser seguido nas relações pessoais e sociais”, ou seja, deve ser uma forma de vida.

Com relação aos princípios filosóficos desenvolvidos pelo mestre Jigoro Kano, são dois os principais: Seiryoku-Zenyo e Jita-Kyoei apoiados no fundamental princípio do “Ju” que tem o significado de suave / flexível. Em algumas palestras o professor Jigoro Kano sintetizou este conhecimento como: “a gentileza que supera a força”. Não devemos resistir ao empurrão ou a uma força aplicada e sim aproveitar este exato momento para aplicar a técnica correta e sair vitorioso do combate.

SEIRYOKU-ZENZO – é a máxima eficiência com o menor gasto de energia ou esforço.
JITA-KYOEI – é o bem estar mútuo, está diretamente relacionado à saúde física e mental proporcionados pela prática sistemática do Judô.

“CEDER PARA VENCER”.

Pode-se definir o Judô como a ciência que estuda os poderes potenciais do corpo e da mente, assim como o modo mais efetivo de aplicá-los às atividades de combate. Daí implica o estudo das leis de gravidade e dinâmica. Em sua relação com o funcionamento do corpo humano, se ocupa o estado de interdependência que existe entre as ações e reações de ordens mentais, emocionais e dos sentidos. Sendo o treinamento constante e cuidadoso.

O Judô é um esporte saudável que pode ser praticado por crianças, jovens e adultos de ambos os sexos, proporcionando-lhes um melhor equilíbrio psicológico. Através da prática do Judô conseguem-se os aprimoramentos técnicos, físicos e espirituais, uma vez que o Judô não serve apenas para aperfeiçoar as técnicas para ser imbatível nos campeonatos. Ele envolve a formação espiritual do praticante, tornando o judoca apto a enfrentar todos os obstáculos da vida de forma honesta e sempre leal.

O treinamento de Judô é árduo como as dificuldades que enfrentamos no nosso dia-a-dia. Portanto, o bem-estar dos praticantes é gratificante e compensador, levando-os, pelos treinamentos de ataque e defesa, a se aperfeiçoarem e a contribuir com algo para seu próximo, sendo útil à sociedade. Esta é a meta final da disciplina do Judô, isto é, o que realça a verdadeira beleza e que valoriza o Judô como educação.

Professor Jigoro Kano ensinando a um grupo de estudantes. O judô, essa arte sutil e eficiente de defesa pessoal, hoje faz parte da cultura universal. Espalhando-se de seu país de origem, o Japão, um produto cultural e filosófico exportado para o resto do mundo.

O judô conquistou adeptos e entusiastas por toda à parte, sendo considerável a porcentagem da mocidade de todos os países que procura os professores e centros de treinamento para atingir a apreciada láurea de perícia técnica simbolizada na Faixa Preta.

A explicação para tal aceitação e interesse é que o judô indiscutivelmente aguça a capacidade física e mental, desenvolve a interação entre o corpo e o espírito e aumenta o autodomínio, além de conferir aos seus praticantes uma segurança tranqüila em matéria de defesa pessoal.

Há também os que levam os seus entusiasmo pelo judô a ponto de querer fazer dele um caminho, uma regra de vida, como a atividade suprema e exclusiva do indivíduo, a fim de ajudá-lo a conquistar o pleno e harmonioso domínio das suas faculdades físicas e mentais, para assim chegar à verdade.

Observa-se também que o judô conservou e conserva muito dos costumes tradicionais japoneses Principalmente, pelo seu rico vocabulário que como a própria arte de luta, vai fazendo parte da técnica do judoca. O judô mais do que prática desportiva é uma filosofia de vida.

O judô talvez não nos leve ao céu, não nos faça deuses nem muito menos guerreiros imbatíveis. Mas de certo, faz-se melhor o praticante. Um lutador contra os seus próprios medos e fraquezas. Como uma flor de cerejeira caindo levemente sob uma tarde de outono, o judoca busca o Caminho Mais Suave para vida sublimando sua mente, corpo, alma e espírito…

 

Dados cedidos gentilmente pelo Sensei Cid Junior

Por Sensei Cid Junior 6° Dan Hokudan

Via – http://reinodaluz.com/esportes/judo/filosofia
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s